Trocas: a arte na rua e a rua na arte | Exchanges: Art on the street and the street in art
Dissertação de Mestrado - 2005

RESUMO:

Esta pesquisa investiga as possibilidades de inserção da arte no espaço das cidades, tendo como objeto um conjunto de “ações de rua” realizadas por mim entre 1998 e 2005. Essas ações consistem em inserções em espaços públicos de maneira a promover ofertas diferenciadas, que envolvem, em sua maioria, trocas. Trocas de sonhos por sonhos, de maçãs por desejos e de palavras por palavras. E ofertas de uma outra identidade, de uma escuta silenciosa e de verbos no imperativo proferidos em um carro de som. Tais ações suscitaram as reflexões presentes neste texto, em que as analiso, correlacionando-as a trabalhos realizados por outros artistas e coletivos de artistas, além de confrontá-las com algumas idéias do filósofo Jacques Rancière e do artista Daniel Buren.
Quatro temas orientam minhas análises. O primeiro é o da participação do artista no mundo, que aqui é analisada como uma dupla possibilidade: a de ver essa participação como elemento transformador de consciências (como desejava Hélio Oiticica em 1967) e a de vislumbrá-la sob a ótica de Rancière, que diz temer que essa participação, na contemporaneidade, venha reduzir “o poder artístico de provocação às tarefas éticas de testemunho sobre um mundo comum e de assistência aos mais desfavorecidos.”O segundo tema é o da história e constituição do comércio informal nas ruas de São Paulo, já que minhas ações estão baseadas em estratégias e procedimentos típicos desse tipo de comércio, comum em grandes cidades. O terceiro tema remete à noção de troca, que está na base do comércio e do capital. E o último, ao conceito de heterotopia proposto por Foucault, do qual me aproprio para analisar alguns procedimentos de meu trabalho.

A dissertação de mestrado, produzida sob a orientação do Prof. Martin Grossmann e defendida em julho de 2005, pode ser acessada na íntegra na Biblioteca de Teses da USP: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27131/tde-26092018-165348/pt-br.php

Abstract

This work investigates the possibilities of art insertion in the urban realm, having as its object of inspection a set of “street actions” I performed between 1998 and 2005. These actions consist in interferences in public spaces in order to promote distinctive offerings, which involve mostly exchanges. Exchanging dreams by donuts, apples by wishes, and words by other words. And offering another identity, a silent listening, and imperative verbs through a loudspeaker. This text presents the thoughts raised by such actions, analyze these actions, and relate them to works by other artists and art collectives, besides confronting them with some ideas of the philosopher Jacques Rancière and the artist Daniel Buren.
Four themes guide my analysis. First, the subject of the participation of the artist in the world, which I analyze as a double possibility: seeing such participation as an element of consciousness transformation (as desired by Hélio Oiticica in 1967) and under the perspective of Ranciére, who is afraid that such participation in the current times ends up reducing “the artistic power of provoking to the ethical tasks of testimony about a common world and assistance to the underprivileged”. The second theme I deal with is the history and formation of informal business in São Paulo, since my actions are based on strategies and procedures inherent to this kind of commerce, very common in large cities. The third theme is the notion of exchanging, which is the basis of commerce and capital. And last, I deal with the concept of heterotopy proposed by Foucault, which I appropriate to analyze some of my work procedures.

 

Scroll Up