¿Y si llega el mar hasta aquí, nos ahoga? | And if the sea reaches here, does it drown us?
2014

Este trabalho fez parte da exposição coletiva “Bajo Presión”, no MAC (Museu de Arte Contemporânea), em Santiago do Chile.
Abaixo, meu texto para o catálogo:

This work was part of the collective exhibition “Bajo Presión”, at MAC (Museum of Contemporary Art), in Santiago, Chile.
Below, my text for the catalog:

“El arte no es un sistema de empatías, sino de enfrentamientos. Es una forma de producir desconocimiento”.
Waltércio Caldas

Me interesa lo humano y lo que hay de deshumano en nosotros, los humanos. Me interesa lo que nos atemoriza y lo que nos mueve; lo que nos aflige y lo que nos une; lo que deseamos, de lo que huimos y, especialmente, lo que producimos para rellenar ese rápido interludio al que llamamos vida.
Mi trabajo es una amplia investigación sobre los especímenes humanos, tan atraída que soy tanto por su piel como por sus entrañas.
Los temas que me conmueven son los que inquietan a la gran mayoría de la gente, como el amor, la muerte, el deseo, los sueños y las identidades. Mi intención es poner una lupa sobre estos temas e incitar a la gente a mirarlos desde otro lugar. Creo que de esta manera, a través del desasosiego, es posible producir enfrentamientos, dudas y desconocimiento.
La materia prima de mi trabajo son las preguntas, preguntas que producen otras preguntas. Quiero plantarlas en el mundo silenciosa y rastreramente, como quien planta raíces y no árboles. Los árboles están para que los disfrutemos, las raíces, a esas debemos enfrentarlas.

Ana Teixeira, Noviembre 2014

“Art is not a system of empathies, but one of confrontations. It is a form of producing unknowingness.”
Waltércio Caldas

I am interested in what is human and in that which is inhumane in us humans. I am interested in that which fills us with fear and that which moves us; that which makes us fret and that which unites us; that which we desire, that which we hide from, and above all, that which we produce to fulfil this brief interlude we call life.
My work is an extensive research on human specimens, considering my attraction for both their skin and their entrails.
The issues which mobilize me are those which mobilize most people, such as love, death, desire, dreams and identities. I intend to place a magnifying glass over these themes, prompting people to look at them from another standpoint. That way, by virtue of restlessness, I believe I can produce uncertainties, unawareness.
The source material of my work are the questions asked, enquiries which produce other enquiries. I wish to sow them in the world silently and sweepingly, as one plants roots rather than trees. Trees are to be appreciated, while roots need to be braved.

Ana Teixeira, November 2014

“A arte não é um sistema de empatias, mas sim de enfrentamentos. É uma forma de produzir desconhecimento.”
Waltércio Caldas

Interessa-me o que é humano e o que há de desumano em nós humanos. Interessa-me o que nos amedronta e o que nos move; o que nos aflige e o que nos une; o que desejamos, do que fugimos, e, principalmente, o que produzimos para preencher esse rápido interlúdio a que chamamos vida.
Meu trabalho é uma extensa pesquisa sobre os espécimes humanos, atraída que sou tanto por sua pele quanto por suas entranhas.
Os assuntos que me mobilizam são os que mobilizam a grande maioria das pessoas, como o amor, a morte, o desejo, os sonho e as identidades. Meu intuito é colocar uma lupa sobre esses temas instigando as pessoas a vê-los a partir de outro lugar. Creio assim, por meio do desassossego, produzir enfrentamentos, dúvidas, desconhecimento.
A matéria prima de meu trabalho são as perguntas, indagações que produzem outras indagações. Quero plantá-las no mundo silenciosa e rasteiramente, como quem planta raízes e não árvores. As árvores são para serem apreciadas, as raízes, precisamos enfrentá-las.

Ana Teixeira, novembro de 2014

Scroll Up